sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Eu o escolhi ou Ele me escolheu?


Vós não me escolhestes a mim mas eu vos escolhi a vós (João 15:16)

Essa semana estava refletindo tudo sobre a minha conversão a Cristo. E cheguei à conclusão de que, antes do mundo ter sido criado, eu já era Dele. O texto acima desperta um dos maiores debates teológicos debatido por séculos- A teoria da Predestinação (João Calvino) [versus] A teoria do Livre Arbítrio (Jacob Armínio). Apesar de ter sido doutrinado dentro da teoria Arminiana, hoje, tenho todas minhas convicções a respeito de Soteriologia mais dentro de um contexto Calvinista. Apesar de não concordar em alguns pontos com o Calvinismo.

Bom, não estou aqui para debater teorias. Sou salvo pela Graça por 2 motivos:
Primeiro; Porque Ele me elegeu antes da fundação do mundo;
E, segundo; Porque quando essa Graça me alcançou eu disse SIM para ela sem pestanejar.

O que muitas pessoas desconhecem é que a nossa conversão não teve início no dia em que levantamos as nossas mãos na igreja para aceitarem a Cristo como Senhor e Salvados de nossas vidas, mas sim, muito antes de termos sido gerados dentro do ventre de nossas mães. Ora, se é o próprio Espírito Santo que nos impulsiona a dizermos "ABA PAI", antes dos meus lábios confessarem que Cristo é o Senhor da minha vida, o Espírito Santo já havia se encarregado de fazer morada no meu coração.

Na minha reflexão, estava recordando do meu primeiro contato com Cristo ainda na minha infância e com toda a minha ignorância espiritual a respeito de Deus. Mesmo sem ter sido criado num "berço cristão", a informação que eu tinha a respeito de Deus vinha da Matriarca da família, minha avó materna Raquel que sempre foi e é uma cristã fervorosa até os dias de hoje.

E quando conheci através dela aquele princípio básico de que todos pecaram, e todos estavam destituídos da Glória de Deus, o meu coração em muito se alegrou quando descobri que havia uma esperança para essa sociedade perdida. Sim, digo isso porque eu tinha a concepção que o mundo poderia simplesmente acabar a qualquer momento, bastava apenas uma única ordem divina. Lembro-me como se fosse ontem, lá para os meus 7 a 8 anos de idade, residindo em São João de Meriti, Baixada Fluminense do RJ, quando na sala da casa onde morava, dobrei meus joelhos e ali fiz uma oração dizendo que aceitava Cristo como Salvador da minha vida. Aquilo me trouxe uma paz de espírito muito grande, se é que com os meus 7 ou 8 anos de idade, eu pudesse mesmo entender o que era essa certa paz.

O interessante é que tudo isso teve início dentro do meu interior, sem nunca ter freqüentado uma igreja evangélica e ter sido discipulado por alguém. Bastou apenas conhecer o plano da Rendenção pela minha avó Raquel que logo tive meu primeiro encontro com Cristo. O Segundo contato com o Senhor foi quando estava na casa de minha tia Rosane em Belford Roxo (RJ), e lá estava uma irmã da Ass. de Deus daquelas bem avivadas, e ao orar por mim, revelou para minha mãe e minha tia que eu era um escolhido de Deus. Tudo isso ainda na minha infância e sem freqüentar qualquer denominação evangélica já que católico particularmente eu nunca havia sido.

Carreguei essas palavras de ser um escolhido por Deus por toda minha adolescência. Sendo um adolescente carioca na década de 90, logo passei a conhecer as bebidas, Bailes Funks, cigarros, drogas (apesar de ter fumado maconha umas 2 vezes só na minha vida e ter odiado desde sempre). Foi quando no auge dos meus 16 anos, veio o meu terceiro e quarto encontro com Cristo que então mudou a minha vida por inteiro.

O terceiro, foi dentro do extinto Belford Roxo Tennis Clube num baile funk da Furacão 2000 no ano de 1997, quando de dentro do baile, ao som da Furacão 2000 gigante e seus 50 mil watts de potência na época, eu tive um novo encontro com Deus. Uma voz que dentro do meu coração era maior que aqueles 50 mil watts, me dizendo que Ele, o Senhor, havia um plano na minha vida e que muitos daqueles jovens conheceriam a Cristo através de mim.

O quarto veio de dentro do meu quarto, após ler todo o livro de Gênesis (depois da experiência no baile não hesitei em logo conseguir uma bíblia e saber das informações a respeito de Jesus), e ao ler sobre a passagem do conserto que Deus fizera com Noé, foi o auge da minha alegria e esperança em Deus. Digo isso pelo fato de que na minha ignorância bíblica e espiritual, eu tinha a concepção de que existiam tantas injustiças e maldades no mundo, que não ia demorar muito tempo para Deus acabar logo com tudo como fez na época de Noé. Então quando eu li de que Deus jamais exterminaria a humanidade daquela forma, veio uma alegria muito grande, pois, ali, vi que existia uma esperança para essa humanidade decaída.

Lembro que saí de dentro do meu lar e fui dá um passeio pela rua, nessa época não morava mais em São João de Meriti, e de repente, ao avistar o céu, vi como um arco íris bem diferente dos que já tinha visto, até porque aquele arco vinha como do céu para terra e nem sequer havia chovido naquele dia. Logo entendi que o mesmo conserto que Deus fez com Noé de que daria uma nova chance para humanidade, ele estava também estava fazendo assim comigo ao colocar aquele arco íris no céu.

Ali, eu percebi que não tinha para onde correr. Deus tinha um plano na minha vida e não podia fugir disso. Logo, fui aconselhado pela minha irmã Silvia que já era evangélica na época a procurar uma igreja evangélica, e a mais próxima, era uma Ass. de Deus de costumes Tradicionalíssimos e bem Pentecostal. Era a mais próxima que eu conhecia, ficava ao lado da minha casa e ali começou todo o meu calvário dentro da religiosidade, alienações e manipulações. Imagine um jovem de apenas 16 anos sendo doutrinado dentro de uma igreja recheada de costumes mais parecidos com o regime Islâmico?

Confesso que mesmo com toda essa religiosidade e costumes desnecessários, eu sentia a presença de Cristo ali dentro. Sentia pelo fato de ter sido chamado por Ele ainda na minha infância, quando, na verdade, eu fui chamado por Ele antes do ventre de minha mãe. Hoje eu chego à conclusão que todos os meus encontros com Cristo foi independente de denominação e religião. Antes de eu sonhar em ter o aceitado como Senhor da minha vida, Ele já havia me aceitado. Afinal, qual é o único motivo da minha existência senão for para Adorá-lo? E desde quando a adoração tem local e horário apropriado, se os verdadeiros adoradores O adoram em espírito em verdade?

Porque insistimos em fazer de nossas Samaria e Jerusalém o local único para adoração? Deus é Espírito e espírito não possui morada certa. A não ser o seu coração e onde ele estiver.
Talvez você me pergunte: Mais a igreja não foi necessária para o seu crescimento espiritual? Sim, claro que foi. Eu louvo a Deus por dia ter entrado e conhecido tudo o que acontece por dentro e por fora da igreja evangélica. O problema é que me venderam o peixe errado. Disseram que a igreja era o essencial, quando, na verdade, é apenas necessário. O essencial é Jesus, e eu fui apresentado a Ele antes de um dia ter sonhado entrar por uma denominação evangélica.

Meu amigo (a), com toda sinceridade do meu coração. Eu não quero, nem é essa minha vontade, fazer apologia contra as instituições. Digo e repito, podemos sim ser a Igreja de Cristo mesmo dentro da igreja (instituição). Mais enquanto existir pessoas alienadas pela religião, este continuará sendo um câncer em todo mundo.
Que Deus levante nessa última geração os verdadeiros adoradores que não precisem apenas está dentro de uma igreja para Adorá-lo, mas sim, que sua adoração seja uma constância em sua vida, dia a dia, 25 horas se necessário.

Não foi você que o Escolheu, foi que ELE que te amou primeiro. Antes de o mundo ser mundo, o Cordeiro de Deus já havia sido imolado só por lhe amar demais. Antes de Deus dizer "haja luz" já existia uma cruz no coração de Deus para lhe dar vida e vida com abundância. Então, no nome de Jesus, desfrute disso hoje. Não faça da sua denominação, uma Meca ou mesquita evangélica, você é o Templo de Deus, você é habitação do Altíssimo e aquele templo lá aonde você freqüenta só tem valor enquanto você e os demais sendo a igreja de Cristo estiverem por lá. Somos a Luz de Cristo, mais o que chamamos de igreja evangélica, há séculos, vem vivendo sobre a obscuridade religiosa. Atualmente, temos apenas um grupo remanescente de vagalumes que vem brilhando em meio a essas trevas. O dia que esses vagalumes saírem de dentro das denominações, as instituições cairão na obscuridade profunda que por séculos a vem acompanhando. São exatamente esses pequenos vagalumes que, muitas vezes, são aqueles que sentam no último banco do Templo e são considerados os anônimos dentro da denominação, que mantém ainda essa Luz acesa.

Hoje eu vivo e respiro pelo simples fato de que ELE me escolheu. E ainda que o mundo desabe e que a apostasia role solta, eu não me vendo e não me venderei. Eu sei em quem tenho crido, e Este, é fiel e justo para dar continuidade à boa obra que Ele começou em minha vida.
Um grande abraço em vosso coração.

Em Cristo que em João 17:9, orou ao Pai, dizendo: "Eu rogo por eles; não rogo pelo mundo, mas aqueles que me deste, para que seja um, porque são teus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário